Um par de horas e 13 livros depois...

Um par de horas [fora viagem], uma volta completa e pequenas reviravoltas, 13 foi o número de livros que vieram comigo para casa da Feira do Livro em Lisboa, bem na verdade foram 14, mas como 14º livro não é para mim não entra na contagem.


A grande perdição este ano foi a bd relativamente antiga que achei nos alfarrabistas. Foi uma autêntica perdição entre as filas de livros de bd encontrar livros e autores que já procurava à algum tempo, mas devo ter andado a procurar nos sítios errados.

Só um dos livros de bd foi comprado na LEYA| ASA. E isto porque já tenho o 2º tomo que tinha trazido numa outra visita à feira do livro, em que existia realmente o 2º tomo, mas nunca tive oportunidade de encontrar o primeiro.
Já andava à procura de livros do François Bourgeon já algum tempo, tenho dois de que gosto muito, não só das histórias, como do próprio traço do autor. Parece que a Asa/Leya está a re-editar alguns livros deste autor. É algo para não perder de vista.
Os que comprei fazem todos parte duma série que se chama Os Passageiros do Vento.

O próximo para mim é totalmente desconhecido, e foi essencialmente a capa que me chamou atenção. Chama-se A Grande Passagem e é de Jeronaton. À primeira vista parece-me estar relacionado com os mitos incas. Tenho a sensação que acertei mesmo ao escolhe-lo.

 Há uns anos, um amigo, que sabia a minha perdição por banda desenhada, ofereceu-me dois volumes d' O Mercenário. Que adorei! Completamente. O ambiente, os desenhos, a história.
Fiquei super entusiasmada quando achei mais 3 volumes, mais contente ainda fiquei ao chegar a casa e ver que nenhum era repetido. Até o senhor da banca ficou surpreendido disse-me que tinha tido muita sorte em achar tantos.

 Um dos principais motivos que me levavam à feira era ir à procura deste livro da Imprensa Nacional - Casa da Moeda, sobre o artista Jorge Barradas.
Na banca da INCM havia uma série de livros que estavam literalmente a chamar por mim, era uns sobre o design de comunicação português, era o dos ilustradores portugueses que estiveram este ano na feira do livro infantil em Bolonha...

António Rodrigues, Jorge Barradas, INCM
Já há um par de anos que tenho dificuldade em resistir aos livros da editora Saída de Emergência. Cobrem a maioria dos estilos que aprecio, no que diz respeito a romance e high fantasy.
Ainda fiquei dividida entre outro George R.R. Martin, ou talvez Anne Bishop (o último duma triologia que já comecei), ou então talvez acrescentar outro livro da Norah Roberts à minha vasta colecção, ou então trazer mais uma Patricia Brigss.
Acabou por ser nada disso. Não tinham os contos H.P Lovecraft que já namorei tantas vezes no site deles, mas na secção dos livros que foram descontinuados do catálogo ou que já foram demasiado manuseados, encontrei dois do género. Foi deveras interessante ver a senhora que estava nessa zona a vender os livros ficar um tanto surpreendida ao ver-me pegar em tais livros. Ei, mas foi muito simpática em mostrar-me mais um do mesmo género.

David Soares, Os Ossos do Arco-Íris, Saída de Emergência


Arthur Machen, O Terror, Saída de Emergência | Adoro esta capa




E por último, também num dos alfarrabistas, comprei um livro do Stephen King que queria já algum tempo. Não era o que ia à procura, mas o preço fez-me decidir trazê-lo.



Stephen King, Cell - Chamada para a Morte, 11x17, Bertrand

E foi assim a minha ida a esta Feira do Livro.

*[as imagens são fotografias das capas dos livros referidos]

Sem comentários:

Enviar um comentário