Axis of Zoom | impressões da manhã



despertou com impressões de luz natural, erguendo o olhar para as impressões claras da manhã que se erguia pelo arvoredo a perder de vista. a luz madrugadora despertou folha a folha, ramo a ramo, árvore a árvore...

a luz sorrateira espreitou bem cedinho, impressionando quem acordou e a olhou. quem a viu, e depois contou, dizia que não haveria jamais alguma luz como aquela. e foi essa uma das impressões da manhã que ficou.

a manhã despertou, despertou impressões verdes, que verdes, na jovem memória assim ficaram. diversos cânticos foram ouvidos, cantadas pelas mais diversas aves, registados e arquivados nas memórias impressionantes da manhã.

e assim foi, e assim se descreveu, tudo o que naquela manhã aconteceu

7A | Jesper Just

Recentemente tive oportunidade de contactar com a obra do artista Jesper Just.
Existe uma exposição dele no Centro Arte Moderna José Azeredo Perdigão (Gulbenkian)

O artista é dinamarquês e é a primeira vez que expões em Portugal. A sala onde os seis vídeos que trouxe cá está organizada de maneira a que se vá vendo vídeo por vídeo, fazendo com que o espectador vá fazendo uma espécie de percurso, pois é necessário mudar de lugar para visionar outro filme. Neste link podem ver um vídeo com a montagem da exposição.

Os vídeos que o artista tem na Gulbenkian são: A Voyage in Dwelling (2008), A Room of One's Own(2008), A Question of Silence (2008), No man Is an Island (2002), This Love is Silent(2003), Something to Love(2005) e o meu preferido It will all end in Tears (2006).

Do mesmo artista encontrei outros dois vídeos que gostei bastante e que partilho aqui.


Bliss and Heaven (2004)



e A Vicious Undertow (2007)