Sobre o signficado das palavras

De momento estou a ler A Insustentável Leveza do Ser do escritor checo Milan Kundera. 

Retrato de Milan Kundera por Joe Ciardiello para o The New York Times; em 2007, para acompanhar a crítica literária Reading With Kundera By Russell Banks
 Estou quase a chegar a meio do livro, mas não podia deixar de partilhar a citação seguinte.

"Numa sociedade rica, as pessoas não têm necessidade de trabalhar com as mãos e podem consagrar-se a uma actividade intelectual. Há cada vez mais universidades e cada vez mais estudantes. Estes, para obterem os seus canudos, primeiro têm que fazer uma tese sobre um dado tema. E não é difícil arranjar um tema, porque basta glosar o que já foi dito. E como tudo pode ser glosado, há um número infinito de temas. E assim, cada vez mais e mais resmas de papel enegrecido amontoadas em arquivos ainda mais tristes do que cemitérios, porque ninguém lá entra, nem mesmo no dia de Todos os Santos. A cultura está a desaparecer numa infinidade de produtos, numa avalanche de letras, na demência da quantidade. Acredita em mim: um único livro proibido no teu antigo país tem um significado infinitamente maior do que os milhões de palavras escarradas pelas nossas universidades."
- Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser, 1983

Sem comentários:

Enviar um comentário